Archive for the ‘ROCK N ROLL’ Category

Banda de metal iraquiana foge para os EUA

fevereiro 4, 2009

Acrassicauda têm estatuto de refugiados e já conheceram os Metallica

sem-titulo

Os Acrassicauda, banda de metal formada no Iraque, viram o sonho de qualquer fã dos Metallica realizado ao conhecerem pessoalmente o vocalista James Hetfield.

 

Segundo o jornal «New York Times», o encontro aconteceu no passado domingo depois do concerto dos Metallica em Newark (Nova Jérsia). Faisal Talal (voz e guitarra), Firas Al-Lateef (baixo) e Marwan Riyak (bateria) foram recebidos por Hetfield, que lhe ofereceu uma guitarra eléctrica assinada e com a dedicatória «Bem vindos à América».

Os músicos iraquianos ficaram conhecidos através do documentário «Heavy Metal in Baghdad» (2007), filme que mostra as dificuldades dos Acrassicauda em sobreviver como banda de metal durante a Guerra do Iraque.

O grupo foi obrigado a fugir para a Turquia e chegou recentemente aos EUA sob o estatuto de refugiado. Os Acrassicauda planeiam gravar o seu primeiro disco de estúdio em 2009.

O trailer do documentário «Heavy Metal in Baghdad»:

http://vids.myspace.com/index.cfm?fuseaction=vids.individual&videoid=25893347

Anúncios

Kiss confirma show no Brasil

janeiro 29, 2009

 

4065497735i

Os fãs do rock e do pop rock dos anos 70 e 80 podem começar a urrar de alegria. Além do já confirmado Iron Maiden, Kiss, A-HA, B-52´s, Simply Red, Stereolab, The Sisters of Mercy e Deep Purple devem, por enquanto, completar a overdose de shows de bandas daqueles tempos no Brasil em 2009.

PUBLICIDADE

O Kiss confirmou ontem (28/01) a sua volta ao País depois de dez anos. O grupo toca no dia 7 de abril na Arena Skol Anhembi e dia 8 na Praça da Apoteose, no Rio. Os preços dos ingressos para as apresentações dos mascarados ainda não foram divulgados, apenas que os clientes do banco Citibank terão uma pré-venda entre os dias 5 e 11 de fevereiro.

O Simply Red toca no Credicard Hall, em São Paulo, nos dias 3 e 4 de março, e no Citibank Hall, no Rio, em 6 de março. O B-52´s se apresenta no dia 22 de março no Credicard Hall e no Citibank Hall no dia 23. Já Stereolab e A-HA confirmaram shows por aqui – o primeiro no Recife e em São Paulo, e o segundo no Rio e São Paulo – porém sem divulgar as datas por enquanto.

Se os nostálgicos do pop-rock ficarão felizes com este verdadeiro “combo” de bandas do gênero, os adoradores do puro rock and roll também não terão do que reclamar. Com se já não bastassem o Kiss e o Iron Maiden, o Deep Purple também dará as caras por aqui em março, com shows no Via Funchal, em São Paulo, nos dias 6 e 7 de março.

E nem os fãs do rock gótico ficarão sem ter o que fazer em 2009: o grupo inglês The Sisters of Mercy também se apresenta no Via Funchal, em 6 de junho.

Iron Maiden

Rio de Janeiro

Dia 14/03, às 21h30.

Local: Praça da Apoteose.

Ingressos: R$ 190,00 (pista comum) e R$ 350,00 (pista Premium).

Vendas pelo site http://www.livepass.com.br, pelo telefone 4003-1527 ou ainda nas bilheterias do Maracanãzinho (Rua Professor Eurico Rabelo, s/nº) e do HSBC Arena (Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3.401).

São Paulo

Dia 15/03, às 20h.

Local: Autódromo de Interlagos.

Ingressos: de R$ 140,00 a R$ 350,00 (não há mais meia-entrada para pista Premium).

Vendas pelo site http://www.livepass.com.br e na bilheteria do Anhembi – Avenida Olavo Fontoura, portão 21, das 10h às 18h; 4003-1527.

Brasília

Dia 20/03, às 21h.

Local: Estádio Mané Garrincha.

Ingressos: de R$ 70,00 a R$ 300,00.

Vendas pelo site http://www.livepass.com.br e na bilheteria do Mané Garrincha – SRPN Estádio Mané Garrincha, bilheteria sul, das 10h às 18h; 4003-1527.

Kiss

São Paulo

Dia 07/04.

Local: Arena Skol Anhembi

Ingressos: preços ainda não divulgados.

Rio de Janeiro

Dia 08/04.

Local: Praça da Apoteose.

Ingressos: preços ainda não divulgados.

Deep Purple

São Paulo

Dias 06/03 e 07/03, ás 22h.

Local: Via Funchal

Ingressos: de R$130,00 a R$300,00

Vendas pelo site http://www.viafunchal.com.br, pelo telefone (11)2198-7718, nas bilheterias do Via Funchal (Rua Funchal, 65) ou nas lojas Newness (Av. Yojiro Takaoka, 4528 – Loja 02 – La Ville Mall – Alphaville – Santana do Parnaíba) e Fujji Turismo (Rua Tapajós 33C – Guarulhos).

Simply Red

São Paulo

Dias 03/03 e 04/03

Local: Credicard Hall

Ingressos: de R$100,00 a R$400,00

Vendas por telefone pela central Ticketmaster (11) 2846-6000 ou 0300 789 6846, pelo site http://www.ticketmaster.com.br ou nas bilheterias do Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.955)

Rio de Janeiro

Dia 06/03

Local: Citibank Hall

Ingressos: de R$140,00 a R$400,00

Vendas pelo telefone 0300 789 6846, pelo site http://www.citibankhall.com.br ou nas bilheterias do Citibank Hall (Av. Ayrton Senna, 3000)

B-52’s

São Paulo

Dia 22/03

Local: Credicard Hall

Ingressos: preços ainda não divulgados.

Rio de Janeiro

Dia 23/03

Local: Citibank Hall

Ingressos: preços ainda não divulgados.

The Sisters of Mercy

São Paulo

Dia 06/06, às 22h

Local: Via Funchal

Ingressos: de R$120,00 a R$200,00

Vendas pelo site http://www.viafunchal.com.br, pelo telefone (11)2198-7718, nas bilheterias do Via Funchal (Rua Funchal, 65) ou nas lojas Newness (Av. Yojiro Takaoka, 4528 – Loja 02 – La Ville Mall – Alphaville – Santana do Parnaíba) e Fujji Turismo (Rua Tapajós 33C – Guarulhos).

Fonte: BRPRESS

Deep Purple em Março na Via Funchal

janeiro 17, 2009
 interna509 Inglaterra. Fevereiro de 1968. Foi o local e a data da criação de uma das maiores bandas de rock de todos os tempos: Deep Purple. Como toda boa banda de cabeludos, qualquer tipo de rótulo era rejeitado. Não adiantou! Eles foram considerados, simplesmente, um dos criadoras do heavy metal e hard rock.

Achou pouco? Os caras mudaram de formação algumas vezes e a legião de fãs não se decepcionou. Não é à toa que quase 40 anos depois a banda sai em turnê e arrasta multidões, lotando casas de shows e estádios.

Esse troca-troca de músicos, entre eles os mais talentosos do rock, resultou na marca registrada do grupo: a mistura de guitarra e teclado, com riffs simples, fortes e solos rigorosos. Para conferir isso e muito mais de perto, corra até o Via Funchal. Serãoapenas duas apresentações, dias 6 e 7 de março.

A atual formação do grupo britânico se mantém desde 2001, e inclui Ian Gillan (vocal), Roger Glover (baixo), Steve Morse (guitarra), Don Airey (teclados) e Ian Paice (bateria), sendo que este último é o único a se manter desde o início, em 1968, quando foi lançado o álbum Shades Of Deep Purple.

Esta será a nona passagem do quinteto pelo Brasil, um dos países nos quais mantém seu maior público fora do mercado roqueiro dos EUA e da Europa. Se seus clássicos são cultuados, os discos mais recentes – como Bananas (2003) e Rapture Of The Deep (2005) – arrancam muitos elogios por parte dos fãs e da crítica especializada. Só conferir…

Fonte: Guia SP

 

A “jam session” de Jimi Hendrix em Woodstock

janeiro 8, 2009

jimi_hendrix_on_stage_fender_stratocaster
Durante três dias do mês de agosto de 1969, dezenas de artistas se reuniram para o maior festival de rock até então. Realizado na cidade rural de Bethel, próxima de Nova York, o evento ocupou uma área de 2,4 quilômetros quadrados e simbolizou a contracultura do final dos anos 60 e início dos 70, bem como a “era hippie”. O público estimado foi de 500 mil pessoas e, até hoje, o festival é celebrado pelos amantes do rock, tendo inclusive sido citado pela Rolling Stone como um dos 50 momentos que mudou a história do rock n? roll.

Entre os dias 16 e 18 de agosto, uma forte chuva castigou o público presente ao festival, que teve shows de artistas como Janis Joplin, The Who, Santana, Joe Cocker, Canned Heat e Crosby, Stills, Nash & Young. O guitarrista Jeff Beck também ia tocar, mas desistiu. Sem Beck, o principal guitarrista a brilhar em Woodstock acabou sendo Jimi Hendrix, que, devido aos longos atrasos entre as apresentações, só pôde iniciar o seu show às nove da manhã (?!?) do dia 19 de agosto, uma segunda-feira.

Os hippies topavam tudo, mas somente 25 mil pessoas agüentaram a maratona para presenciar o concerto de Hendrix, que recebeu o maior cachê do festival: 18 mil dólares pelo show e mais 12 mil pelos direitos de filmagem.

Jimi Hendrix havia dispensado o seu primeiro trio (Jimi Hendrix Experience) poucas semanas antes do show em Woodstock. A última apresentação do trio foi no Denver Pop Festival, dois meses antes de Woodstock. Talvez por esse motivo, o locutor oficial do festival, MC Chip Monck, tenha anunciado erroneamente, antes do show, o nome da Jimi Hendrix Experience.

A nova banda de Hendrix era formada por Billy Cox (baixo), Mitch Mitchell (bateria), Larry Lee (guitarra base), Jerry Velez e Juma Sultan (ambos na percussão), ou seja, uma mistura da Gypsy Sun e do Rainbows. Segundo o guitarrista, o sexteto nada mais era do que a Band Of Gypsys, nome de sua futura banda. E a explicação é simples: a estridente guitarra solo de Hendrix acobertava a guitarra base de Larry Lee, e as porradarias do baterista Mitch Mitchell não davam vez para os pobres percussionistas. De qualquer forma, e isso é inegável, como pode ser observado em diversos momentos do show, essa “banda provisória” fez com que Hendrix se reencontrasse com o blues e o rhythm and blues.

Com tanta novidade, o show de Jimi Hendrix em Woodstock pode ser considerado “caótico”, no melhor sentido da palavra. Foram pouco mais de duas horas de show (o mais longo da carreira do guitarrista), que, na verdade, se constituíram em uma grande “jam session”. Aproveitando a nova formação de seu conjunto, Hendrix aproveitou para testar novas possibilidades, e até mesmo, voltar a tocar o blues “Hear My Train A Comin”, que estava fora do repertório de seus shows havia mais de dois anos. O guitarrista também compôs o rockão “Izabella”, justamente para o festival. “Villanova Junction”, um blues instrumental, também era praticamente inédita, eis que composta em maio de 69. Aliás, a introdução da apresentação, com a funkeada “Message To Love”, já mostrava que aquele show não seria igual aos outros.

Hendrix também testou novas sonoridades, como em “Jam Back At The House”, uma espécie de “fusion”, na época em que esse gênero musical sequer existia. E ainda fez uma improvisação (previsivelmente intitulada de “Woodstock Improvisation” no CD e DVD que registram a apresentação), durante a qual, a sua guitarra só faltou pedir arrego.

Mas, como não poderia deixar de ser, Jimi Hendrix apresentou os seus sucessos (que já podiam ser chamados de clássicos, apesar da pouca idade), como “Red House” (executada por Hendrix mesmo com uma corda de sua guitarra arrebentada), “Foxey Lady” (em uma versão, mais uma vez, “caótica”), “Fire” (alguém conseguiu ouvir os percussionistas?), “Purple Haze” e “Hey Joe”, esta última, já no bis, foi o último suspiro do festival de Woodstock.

Apesar dos sucessos, duas outras canções podem ser consideradas os grandes momentos do show. A introdução com a guitarra “wah wah” em “Voodoo Child (Slight Return)” foi a deixa para uma arrepiante versão com quase quinze minutos de duração. E o hino dos Estados Unidos (“Star Spangled Banner”), apresentado logo em seguida, foi a fecho de ouro do festival (e do fim da década de 60), com a estridente guitarra de Jimi Hendrix chorando misturada ao som da bateria e das percussões, que mais pareciam bombas explodindo na Guerra do Vietnã.

Talvez a melhor síntese da apresentação de Jimi Hendrix no festival de Woodstock tenha sido feita pelo jornalista David Fricke, que soube expor, como ninguém, a fase que o guitarrista passava em sua carreira. “Woodstock não foi o melhor show de Hendrix, mas foi o seu mais honesto. Tudo o que estava certo, errado e sem resolução sobre a sua música e sua carreira, veio à tona naquele show, sem pedido de desculpas. Jimi Hendrix queria fazer música tão profunda quanto o oceano, tão grande quanto o céu, e tão real quanto a sua vida. Aqui está como ele tentou fazer tudo isso em apenas uma manhã, ao final de um longo e estranho fim de semana em agosto de 1969”.

Se quiser comprovar, corra e coloque o DVD para rodar. Mas, de preferência, em um sábado à noite…  
 


Fonte: Esquina da Música

Empresário confirma volta de Led Zeppelin sem Plant

janeiro 8, 2009
led20zeppelin

O que muita gente temia aconteceu. O empresário de Jimmy Page confirmou hoje que o Led Zeppelin planeja entrar em turnê e gravar um álbum sem Robert Plant nos vocais.

A informação era cogitada desde o ano passado, já que Page e o baixista John Paul Jones deram sinais de que gostariam de continuar a experiência bem-sucedida do show de reunião de 2007, na O2 Arena, em Londres. Na ocasião, Jason Bonham, filho do falecido John Bonham, assumiu a bateria.

Plant, no entanto, apesar de garantir ter gostado do encontro e de que não tem nenhum ressentimento dos antigos companheiros, afirmou em dezembro não ter qualquer interesse em levar a história adiante.

“John Paul Jomes e Jimmy Page gostam de tocar juntos, Jason Bonham é um baterista excelente, então por que não?”, declarou Peter Mensch, empresário de Page. “Só precisamos achar um vocalista.”

Mensch disse que o processo de seleção deve ser “longo e difícil” e se recusou a especular o nome de possíveis candidatos. Rumores, no entanto, dão conta de que Chris Cornell (Soundgarden, Audioslave) e Steven Tyler (Aerosmith) estão sendo considerados.

Fonte: IG

Morre Ron Asheton, guitarrista dos Stooges

janeiro 8, 2009

aleqm5hjdk_m1gvkuzrgnxjofqjloasj2w

 Ron Asheton, guitarrista do lendário grupo de punk rock dos anos 70 The Stooges, liderado por Iggy Pop, morreu em Michigan, norte dos Estados Unidos, revelou a polícia nesta terça-feira.

Ron Asheton, de 60 anos, foi encontrado sentado em uma cadeira de sua casa, por um amigo que não tinha notícias do músico há vários dias.

A polícia excluiu a possibilidade de homicídio.

“Estou muito chocado. Era meu melhor amigo”, disse Iggy Pop em seu site.

“Ron era um Deus na guitarra, um ídolo que inspirou muitos…”, destacou Pop.

Asheton era o 29º da lista dos 100 melhores guitarristas de todos os tempos da revista Rolling Stone.

Fonte: AFP

Vídeo do dia: Nazareth – Love Hurts

janeiro 7, 2009

Vídeo do maior sucesso no Brasil do grupo escocês Nazareth, a balada “Love Hurts”.

Inventor da guitarra Fender será homenageado pelo Grammy em 2009

dezembro 28, 2008

Cantor Dean Martin e o grupo Four Tops também recebem homenagens.
Lil’ Wayne e Coldplay são favoritos para premiação principal.016218697-ex00

 Leo Fender acompanhado de algumas de suas criações. (Foto: Divulgação)

Clarence “Leo” Fender, o criador da guitarra elétrica de corpo sólido que leva seu sobrenome, vai ser premiado com um Grammy técnico na edição de 2009 do principal prêmio da indústria fonográfica. A cerimônia está programada para o dia 8 de fevereiro de 2009, em Los Angeles.

Leo Fender lançou a “Fender Esquire” em 1950 – o primeiro modelo de guitarra elétrica de corpo sólido a ser vendido em larga escala. Fender também criou modelos de guitarra amplamente utilizados até hoje, como a Telecaster e a Stratocaster. Ele morreu em 1991, aos 81 anos.

As outras homenagens já anunciadas para o Grammy incluem prêmios para o cantor Dean Martin, amigo de Frank Sinatra, falecido em 1995; para Tom Paxton, influente cantor de folk norte-americano e também uma premiação para o quarteto vocal da gravadora Motown Four Tops, famosos na década de 1960. Levi Stubbs, líder dos Four Tops, morreu em outubro deste ano, e o prêmio deve ser recebido por Abdul Fakir, único membro sobrevivente do grupo.

Os concorrentes nas principais categorias do Grammy 2009foram divulgados no começo de dezembro. O rapper norte-americano Lil’ Wayne lidera o número de indicações, com oito no total, seguido pela banda inglesa Coldplay, indicada em sete categorias.

 fonte: G1

2008 FANTÁSTICO

dezembro 23, 2008

andreas_kisser_70x70Por Andreas Kisser

 O ano de 2008 foi espetacular. Apesar da chegada da crise financeira, realizei vários projetos, incluindo o término do meu disco solo (HUBRIS I & II, lançado em Março 2009) e o novo disco do Sepultura (A-LEX, que sairá em Janeiro 2009).

Comecei o ano realizando um evento no CCSP no final de Janeiro que chamei “Nas Pegadas de Andreas Kisser”, onde eu apresentei algumas das minhas idéias e projetos para o ano de 2008. Acho que consegui fazer tudo e ainda sobrou espaço e tempo para mais coisas que não estavam programadas. Em Março, lancei as cordas de guitarra feitas pela SG (IZZO) que levam a minha assinatura.

Refiz o piloto do meu programa para a TV, “Andreas Kisser Rock’n’Roots”, onde eu sempre convido um músico para fazer uma mistura de estilos e ao mesmo tempo falar da história e influências da música. No piloto, o convidado foi o Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial. Nós fizemos os ensaios e o show foi gravado no tatro Oficina. Tocamos Robert Johnson, a raiz do blues, e falamos da influência dele no rock e heavy metal, tudo isso sendo registrado pelas câmeras. A estréia do programa está prevista para 2009, mas ainda não definido o mês.

Junto com o primeiro show do meu projeto solo, lancei uma versão combo do amplificador Meteoro, que também leva o meu nome, o “Combo Kisser Extreme”. O show foi feito paralelamente à Expo Music SP, que reúne tudo relacionado ao mercado da música e é a maior da América Latina. Na feira também foi feito o lançamento da revista Guitar Player Brasil, edição de outubro, a qual eu tive a honra de ser capa pela primeira vez. Foi um momento muito especial na minha carreira.

Fora o planejado, aconteceram coisas ainda mais espetaculares. Eu tive a chance de tocar no Teatro Municipal do RJ com a orquestra do maestro Silvio Barbato o tema escrito por Heitor Villa Lobos, o “Trenzinho do Caipira”. A junção da guitarra elétrica com a orquestra foi mágica e repetimos o tema, junto a outras versões para “Ave Maria” e “Jorge da Capadócia”, em Brasília na comemoração dos 200 anos do jornal Correio Braziliense.

Em Setembro tive o privilégio de fazer parte de uma das maiores bandas de heavy rock do planeta: o Scorpions. Foi inacreditável. Eu sempre fui muito fã do grupo, meus primeiros riffs na guitarra eu aprendi tocando Scorpions, Iron Maiden, Judas, Sabbath, etc… e quando fui convidado a tocar o terceiro violão com eles eu fiquei em choque. A tour foi batizada de “Eletro-Acústica”. Na parte acústica eles convidaram percussionistas e vocalistas de apoio brasileiros, mais especificamente da Bahia, arranjos feito por Mika Mutti, grande arranjador e músico. Fizemos 10 shows pelo Brasil e 4 no México. Grandes shows, cheios de clássicos e tudo tocado com muita energia e competência. Inesquecível. Danke Scorpions, you rule!

A abertura que fiz com os Meninos do Morumbi e a Companhia de Dança Deborah Colker no Grammy Latino Brasil na TV Band; a propaganda da Volks com o Sepultura tocando Bossa Nova; o show do Sepultura em Cuba, primeiro show de metal da história do país, e nas Filipinas, foram momentos marcantes e especiais de 2008.

O ano foi fantástico também por ter sido o último de Bush como presidente americano (já vai tarde); por ter visto a força que o Brasil mostrou durante a crise financeira, que ainda persiste; por ter visto o Najas na prisão e por mais um show do São Paulo Futebol Clube no Campeonato Brasileiro, indiscutível, o maior da história!

2009 vai ser ainda de mais trabalho e desafios, que vão nos fazer crescer e evoluir, espero que na direção certa.

Boas festas e excelente 2009!

Abraço,

Andreas Kisser

 

Andreas Kisser, casado, três filhos, músico, guitarrista do grupo Sepultura. Espera debater e, principalmente instigar novas idéias e caminhos usando a música como ispiração para a busca de entendimento e tolerância.

Yahoo Notícias

DVD: RUSH – SNAKES AND ARROWS

dezembro 21, 2008
RUSH – SNAKES AND ARROWS LIVE – (DVD TRIPLO)
   

  LANÇAMENTO

Título Original: Rush – Snakes and Arrows Live – Holanda 2007

Atores: Rush

Sinopse: Filmado em Roterdã na turnê de 2007 do álbum “Snake and Arrows”, este DVD captura o Rush em seus melhores momentos frente a uma efervescente platéia holandesa. O Rush é uma das banda de maior êxito do rock de todos os tempos, com vendas mundiais de disco em torno de 40 milhões de unidades e com uma formação inalterada desde 1974. “Snake and Arrows” foi o primeiro álbum com material novo em 5 anos, e foi tanto acalmado pela crítica, como teve sucesso nas vendas, chegando a 3º lugar nos EUA e no Canadá, e 13º no Reino Unido. A turnê atravessou o mundo e finalmente terminou em agosto de 2008. Agora este DVD oferece uma lembrança permanente de um show inesquecível, que foi o “Snake and Ladders Live”.

Disco 1
1) Limelight
2) Digital Man
3) Entre Nous
4) Mission
5) Freewill
6) The Main Monkey Business
7) The Larger Bowl
8) Secret Touch
9) Circumstances
10) Between The Wheels
11) Dreamline

Disco 2
1) Far Cry
2) Workin’ Them Angels
3) Armor And Sword
4) Spindrift
5) The Way The Wind Blows
6) Subdivisions
7) Natural Science
8) Witch Hunt
9) Malignant Narcissism / De Slagwerker
10) Hope
11) Distant Early Warning
12) The Spirit Of Radio
13) Tom Sawyer
14) One Little Victory
15) A Passage To Bangkok
16) YYZ

Disco 3
Oh Atlanta! The Authorized Bootlegs:
1) Ghost Of A Chance
2) Red Barchetta
3) The Trees
4) 2112

EXTRAS CÓDIGO REGIONAL
Menu Interativo
Seleção de Cenas
What’s That Smell com Jerry Stiller – a vignette
2007 Tour Outtakes
What’s That Smell Outtakes (hidden Easter Egg)
Far Cry (alternate cut)
The Way The Wind Blows (alternate cut)
Red Sector A (from The R30 Tour).
REG. 4
VÍDEO  
NF  
ÁUDIO  
Inglês: Dolby Digital  
LEGENDAS GÊNERO
NF PopRock
ANO DE PRODUÇÃO ESTÚDIO
2008 ST2
DURAÇÃO DATA LANÇAMENTO
222 minutos 16/12/2008
. REG.4:
Este DVD somente poderá ser reproduzido em aparelhos para a região 4 (Brasil – América Latina).