Archive for 12 de novembro de 2008

‘Elvis morreu Sim. Eu fui ao funeral’, diz guitarrista

novembro 12, 2008

burton_div

Durante oito anos, Burton foi o principal guitarrista de Elvis

SÃO PAULO – Durante oito anos, de 1969 a 1977, James Burton foi o principal guitarrista de Elvis Presley, feito que o faz ser lenda para muitos fãs de rock and roll. E não foi só. Burton, 69 anos, também tocou com Frank Sinatra, Jerry Lee Lewis, Bob Dylan e Chuck Berry e escreveu seu nome no Hall da Fama do Rock, em 2001. Burton estará no Brasil entre os dias 27 e 30 de novembro para shows no Bourbon Street, em Moema, e uma tarde de autógrafos no The Clock Rock Bar, em Perdizes. Quem o traz é o pianista e vocalista brasileiro Alex Valenzi e sua banda, The Hideaway Cats, que está comemorando 15 anos de carreira. Com Elvis Presley, Burton gravou sucessos como Suspicious Minds, Burning Love, A Little Less Conversation e Always on my mind. O músico que aprendeu a tocar guitarra aos 13 anos diz que o rock ainda faz parte da sua vida. Quando atende o telefone, sua primeira palavra não é ‘alô’, mas ‘rock and roll!’. Direto da James Burton Foundation, espaço em Los Angeles que fundou para ensinar música a crianças carentes, localizado na Avenida Elvis Presley, em Shreveport, o guitarrista falou com exclusividade ao JT, por telefone.

 O senhor ainda tem na memória a reação do público cada vez que Elvis subia ao palco?

Elvis é um ícone. O rei do rock. Todos os fãs o adoravam. Eles ficavam completamente loucos, batiam as mãos, gritavam e choravam muito. Em todas as centenas de apresentações que fizemos foi a mesma coisa. Lembro da maioria delas. É algo inesquecível.

 Sua relação com Elvis era de amizade ou mais profissional?

Éramos bons amigos. Ele era um bom chefe e uma ótima pessoa. Fui seu guitarrista de 1969 até a sua morte. Sempre conversávamos por telefone, não importava em que lugar ele estivesse. Ele sempre foi muito acessível.

 O senhor já tocou com Rick Nelson, Frank Sinatra, Jerry Lee Lewis, The Mamas and the Papas, Bob Dylan, Les Paul, Chuck Berry… Algum deles foi mais importante do que Elvis?

Cada um foi importante. Eram todos ótimos músicos. Cada um fazia uma música diferente. Aprendi muito. É ótimo tocar com diferentes pessoas.

 Elvis Presley tinha um comportamento complexo. Chegou a presenciar alguma de suas famosas mudanças de humor?

Nunca tive problemas com ele. Tanto no palco quanto nos bastidores ele sempre foi cortês. Existem pessoas diferentes com opiniões diferentes da sua. Mas, comigo, ele sempre foi um bom amigo.

 O senhor estava no palco, em 27 de setembro de 1974, em College Park, em Maryland. Os fãs dizem que este foi o pior show de Elvis Presley. É verdade?

Não acho. Cada um tem sua opinião. Todos os shows de Elvis eram memoráveis. Você pode pensar o que quiser, os fãs também. Cada um pensa de um jeito. Mas, para mim, o show foi bom.

 Quando Elvis morreu, o senhor estava com a banda em pleno vôo, a caminho de um show em Portland. Como foi a reação de vocês?

Ficamos chocados. Foi uma surpresa muito grande. Não pousamos em Portland. Voltamos para Pueblo, Colorado, para abastecer e seguir viagem para Memphis, para ficar com a família e acompanhar o velório.

 Alguém chegou a imaginar que ele poderia morrer?

Foi uma surpresa incrível. Não tínhamos idéia que ele morreria. Não havia nenhuma indicação de que ele estava doente. Não sei se ele ia ao médico periodicamente. Eu era apenas o músico dele. Não sabia muitas coisas de sua vida particular. Quanto a isso ele era reservado. Eu vivia na Califórnia e ele em Memphis. Nos encontrávamos nos palcos, durante os shows.

 Não perceberam que a saúde de Elvis estava se degradando?

Nunca percebemos isso. Tocamos juntos em centenas de shows, gravamos vários discos, sem que ele não apresentasse nenhum problema. Absolutamente nada. É por isso que sua morte foi uma surpresa para nós.

 Seu primeiro sucesso foi ‘Susie Q’, composta quando você tinha apenas 14 anos. Como é tocá-la ainda hoje?

Quando a compus, eu tocava em uma banda de blues. Essa música foi o começo do meu sucesso. Comecei a tocar guitarra com 13 anos e até hoje lembram de Susie Q. Ela será uma das canções que apresentaremos no show brasileiro.

 Algum cover do Elvis Presley consegue imitá-lo com perfeição?

Sabe, eu conheço muitas dessas pessoas. Mas Elvis Presley é incomparável. Todos o imitam porque o admiram. Mas, lembre-se: só existe um Elvis. Podem falar e se vestir como ele, mas nunca serão iguais.

 Acredita que hoje tem surgido poucos bons guitarristas-solo ?

Não sei. Eu sou um guitarrista solo, mas não posso falar pelos outros. Para os novatos eu diria: ‘pratique bastante e aprenda com os mais experientes.’

 Como foi ter tido da imprensa mais reconhecimento do que o próprio Elvis quando lançaram o single ‘The Wonder of You’, em 1970?

Acho que a imprensa gostou muito do meu solo, você não acha? Sei que é uma sensação maravilhosa. Eu sempre digo que minha música é uma bênção de Deus. Ele sempre foi o meu melhor professor. É Ele quem continua me ensinando. Quanto ao reconhecimento da crítica, fico honrado até hoje.

 O senhor é muito religioso?

Sou sim, freqüento a igreja batista. Vivo com meu coração aberto a Deus, sempre converso com Ele. O momento mais importante da minha carreira é quando Deus assume o comando. Deus controla minha música, minha família e meu dia-a-dia.

 Das lendas urbanas, a mais famosa é de que Elvis não morreu.

Sim. Ele morreu, fui ao funeral. Escreva aí: “James Burton foi ao funeral do Elvis Presley e o viu morto.” Foi uma tremenda perda. Na minha opinião, Elvis ainda vive nos nossos corações e no legado que ele deixou no mundo hoje.

 Elvis tinha noção de que estavam fazendo músicas que entrariam para a história?

Não conseguimos imaginar a dimensão daquilo que estávamos fazendo. Sabíamos que era uma coisa muito grande. Mas não dava para saber que aquelas músicas seriam importantes ainda hoje. Só percebemos que estamos escrevendo a história quando analisamos à distância. É o que eu percebo hoje. Quando estamos fazendo história, nós não percebemos.

 É verdade que Elvis Presley teria pedido à CIA para proibir a entrada dos Beatles nos Estados Unidos?

Elvis gostava dos Beatles, e eu também. Quando eles vieram aos Estados Unidos, eu e Elvis fomos conhecê-los. O Elvis gostava da música deles. Não sei dessas coisas da CIA. Isso não é importante. A resposta para esta pergunta é que Elvis gostava dos Beatles e da música que eles faziam.

 Elvis nunca foi um bom guitarrista. O senhor chegou a dar aulas para ele?

Não dei aulas para ele. Mas, realmente, ele nunca foi um sensacional guitarrista ou um excelente pianista. Elvis, no entanto, era um excepcional cantor. Assim como ele não tocava bem guitarra, eu não sou um excelente cantor. Sua performance no palco era inacreditável. Ele adorava guitarra, por isso, nos shows, durante os meus solos, ele olhava para o lado, dava um grande sorriso e trocávamos olhares. Tínhamos esta comunicação no palco pelo olhar. Ele adorava o que fazíamos.

 E quando Elvis Presley errava? Quais eram suas limitações?

Todos somos humanos. Minha resposta é: ninguém é perfeito, e Elvis também não é.

 Elvis chegou a mencionar alguma vez se gostaria de tocar no Brasil?

Sim. No Brasil, no Japão, na Rússia, na China e na Austrália. Eu amo São Paulo. Já toquei aí. Desta vez vou conhecer também o Rio de Janeiro.

 Ainda fica nervoso quando sobe ao palco?

Nervoso, não. Excitado. É sempre uma oportunidade de conhecer novas pessoas, novos fãs. Isso é excitante.

Fonte: Estadão

Anúncios

CARROS CANDIDE ESPECIAL PARA AS MENINAS

novembro 12, 2008

LINHA ESPECIAL PARA AS MENINAS
 
A Candide apresenta em sua linha diversos produtos especialmente para as meninas. Dentro da linha há carrinhos de controle remoto e helicópteros.
 
Parte da renda de cada produto vendido é revertida para a Fundação Xuxa Meneghel.
 image005

3163 – X-Cóptero: Após o sucesso dos carros só para meninas, surge o mini helicóptero com controle infravermelho. Com toda a tecnologia da Candide, ele permite manobras incríveis e exclusividade feminina: Até os meninos desejam pilotar o dinâmico e moderno helicóptero rosa! R$ 49,99.
 image008
Moto X cód. 3154: Controle remoto com Música da Xuxa – Escala 1:18 • Bivolt. Carro de rádio controle 7 funções da Xuxa com carregador e bateria recarregável bivolt. Acende luzes. O controle utiliza bateria 9V e toca música da Xuxa. R$ 89,99.
 image009
Jipe Snowboard cód. 3156: Controle remoto com Música da Xuxa – Escala 1:14 • Bivolt. Carro de rádio controle 7 funções da Xuxa com carregador e bateria recarregável bivolt. Acende luzes. O controle utiliza bateria 9V e toca música da Xuxa. R$ 129,99

 

image010
Jipe Surfing cód. 3157: Controle remoto com Música da Xuxa – Escala 1:14 • Bivolt. Carro de rádio controle 7 funções da Xuxa com carregador e bateria recarregável bivolt. Acende luzes. O controle utiliza bateria 9V e toca música da Xuxa. R$ 129,99

image011
Jipe Rally cód. 3158: Controle remoto com Música da Xuxa – Escala 1:12 • Bivolt. Carro de rádio controle 7 funções da Xuxa com carregador e bateria recarregável bivolt. Acende luzes. O controle utiliza bateria 9V e toca música da Xuxa. R$ 89,99
 
0800-557400 – www.candide.com.br

Denise Bispo e Hellen Campos
HD PRESS ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

LAR ESCOLA CAIRBAR SCHUTEL PROMOVE BAZAR DE NATAL E PECHINCHÃO

novembro 12, 2008

bazar-de-natal 
O Lar Escola Cairbar Schutel, instituição que atende crianças e adolescentes em situação de risco social, promove nos meses de novembro e dezembro o Bazar de Natal e o Pechinchão. Os eventos que acontecem em sua sede no Morumbi, tem como finalidade arrecadar fundos em prol dos jovens abrigados e ajudar famílias carentes da região.

Bazar de Natal e Pechinchão no LECS
 
Os bazares beneficentes do Lar Escola Cairbar Schutel têm como finalidade angariar fundos em prol das crianças abrigadas. Os bazares tiveram início há 30 anos, quando um grupo de senhoras voluntárias resolveu se reunir todas quintas-feiras, com o objetivo de confeccionar prendas, artesanato, bordados, crochês e tricôs para serem vendidos como uma forma de arrecadar uma fonte de renda a mais para ajudar nas despesas do Lar.

Ao longo dos anos, os integrantes do grupo participaram de várias feiras beneficentes, como a Feira da Esperança e a Feira da Solidariedade, além de chás beneficentes e outros eventos do gênero. Habitualmente os bazares são realizados em datas especiais como Dia das Mães, Bazar da Primavera e Bazar de Natal.

Além dos bazares de artesanato, o grupo também organiza um outro tipo de bazar, que é o Bazar da Pechincha, que acontece quatro vezes por ano, a cada trimestre, e é feito somente com materiais doados, usados em bom estado. Lá podem ser encontrados produtos como roupas, calçados, utensílios domésticos, eletrodomésticos, brinquedos etc. Os donativos passam por uma triagem, na qual são cuidadosamente separados, organizados, e recebem preços simbólicos. Além de se constituir em uma fonte de renda para o Lar, as receitas desse bazar também atendem à população carente que mora nas redondezas.

Já o Pechinchão tem como objetivo ajudar as famílias carentes das imediações do Morumbi. Nele são comercializados roupas, sapatos e objetos diversos recebidos como doação no Lar Escola, não utilizados pelos abrigados, mas que são de muita utilidade às famílias de baixa renda. Os produtos são vendidos em sacos de 20 litros (R$5,00, o saco) e 60 litros (R$15,00, o saco).
Novos voluntários que desejem participar dessas atividades devem entrar em contato com Iseralda (11) 2276-1293 ou Izabel (11) 3743-1888.
Serviço:
 
LAR ESCOLA CAIRBAR SCHUTEL
 
Bazar de Natal
Dias 28, 29 e 30 de novembro (sexta, sábado e domingo)
 
Pechinchão
Dia 06 de dezembro (sábado)
Preços: sacos de 20 litros (R$5,00, o saco) e 60 litros (R$15,00, o saco)
 
Bazar da Pechincha
Dias 13 e 14 de dezembro (sábado e domingo)
Preços populares
 
Rua Francisco Preto, 213 – Morumbi
 
Saiba mais sobre o Lar Escola Cairbar Schutel
www.cairbarschutel.org
 
Fundada em 17 de janeiro de 1963,  a instituição atende gratuitamente 60 crianças – meninos e meninas, de 0 a 18 anos, em situação de risco social.
 
Desde sua fundação, a entidade já acompanhou a vida de 529 crianças. Dessas, 434 retornaram para o seu lar  de origem, 68 foram adotadas internacionalmente e 27 foram adotadas no Brasil.
 
Seu objetivo é ser uma instituição beneficente reconhecida como centro de referência em administração do Terceiro Setor, oferecendo lar, educação, cuidados médicos, alimentação e ensinamentos morais para formar cidadãos conscientes de seus direitos e deveres.
 
Os pilares que baseiam a entidade são: cidadania, ética, integridade e honestidade para com toda a sociedade, união, fraternidade, humildade e fé raciocinada.
 
Visite:
Rua Francisco Preto, 213 – Vila Morse – São Paulo. Fone: (11) 3742-0516

Novembro 2008
Jornalista responsável: Clarice Pereira (MTb 15.778)